user user
Imagem Topo

Seminário Integrado - 235

Data: 04/12/2015

Vício em celular atrapalha vida familiar e profissional

Cerca de 18% dos brasileiros admitem entrar em pânico se ficarem sem o aparelho

Celulares supermodernos estão entre os presentes de Natal mais populares. Você mesmo pode ter ganhado um. Mas cuidado, pois a maior facilidade em obter estes aparelhos criou uma nova doença: a nomofobia, síndrome que deixa a pessoa dependente da tecnologia. A empresa francesa de pesquisa Ipsos revelou que 18% dos brasileiros admitem ser viciados nos seus aparelhos. Em outro levantamento, feito pela revista ‘Time’ e pela empresa Qualcomm, 35% dos brasileiros afirmaram consultar o celular a cada dez minutos ou menos.

Ficar longe do tablet ou do smartphone parece missão impossível para muitos. A psicóloga Andreia Calçada explica que este vício atrapalha as relações pessoais e profissionais: “A pessoa fica muito desgastada, começa a não dormir direito e não dar atenção à família, para poder ficar olhando o celular. Se esquece o aparelho em casa, entra em pânico. Tudo isso prejudica a maneira com a qual ela vai se relacionar com os outros”.

A psicóloga afirma ainda que a falta de contato com o aparelho causa sensação de perda. “As pessoas acham que, por não estarem olhando a todo instante o celular, estão perdendo o que está acontecendo. Têm a sensação de estarem sendo deixadas de lado”, alerta.

Ainda segundo ela, dependendo do grau de uso, o smartphone pode causar dependência química como qualquer droga. “Muitos criam um comportamento obsessivo compulsivo com o celular e precisamos tratá-los como viciados”, diz Andreia. O especialista em administração de tempo Christian Barbosa explica que é preciso achar um limite no uso dos aparelhos eletrônicos. “Não adianta colocar o celular à frente da sua vida pessoal. Temos que saber separar o uso exagerado do saudável”, explica. Os aparelhos que possibilitam que se faça várias tarefas simultaneamente prejudicam o rendimento profissional.

Dificuldade em separar real e virtual

A psicóloga Andreia Calçada alerta também para o fato de o uso indevido dos aparelhos eletrônicos causar dificuldade na separação do mundo real do virtual.

“Algumas pessoas simplesmente não conseguem se desconectar. Mesmo durante um jantar a dois, elas usam os aplicativos do aparelho para se comunicarem”.

É assim com o operador de informática Vinicius Pereira, 32 anos, que se considera dependente do celular. “Minha mãe e meus amigos reclamam todas as vezes que saímos porque eu sempre estou atualizando alguma coisa ou vendo alguma novidade. Mas não adianta, eu olho e uso o tempo todo mesmo”, conta.

Para resolver o problema, Christian Barbosa avisa: esqueça que ele existe. “As pessoas precisam guardá-lo na gaveta mesmo. Desativar as notificações e deixá-lo longe. Assim, vai amenizar a dependência pouco a pouco”.

 

Matéria Retirada: http://odia.ig.com.br/portal/cienciaesaude/v%C3%ADcio-em-celular-atrapalha-vida-familiar-e-profissional-1.528918

Nosso trabalho trata-se de uma pesquisa feita sobre o uso do celular pelos alunos da escola Professor José Fernandes de Oliveira.

Pois é um assunto muito preocupante, muitos alunos passam mais da metade do seu dia com o celular na mão, alguns deixam de dormir deixam os amigos de lado ou até mesmo os pais, mas isso não é uma novidade no mundo de hoje está mais comum todos os dias pessoas que se comunicam mais pelo celular do que pessoalmente preferem mandar uma mensagem ou um whatts para saber como alguém está do que ir até a pessoa.

Também tem algumas pessoas que são super extrovertidas atrás da tela do celular, mas quando chegam para conversar pessoalmente, não há assunto e as pessoas se tornam mais tímidas ficam mais inseguras cara a cara, e as vezes mesmo frente a frente preferem usar o celular para falar algo.

Segue em anexo pesqwuisa realizada com os alunos nos turnos da tarde e noite.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://bmail.uol.com.br/attachment?msg_id=NDQ0ODc&ctype=%3D%3FUTF-8%3Fb%3FR3LDoWZpY28gMi5qcGc%3D%3F%3D&disposition=inline&content_id=%3Cbcac504f-4fda-01c4-7030-551c58e5e7d0%40yahoo.com%3E&folder=INBOX&attsize=51202

 

http://bmail.uol.com.br/attachment?msg_id=NDQ0ODc&ctype=%3D%3FUTF-8%3Fb%3FR3LDoWZpY28gMy5qcGc%3D%3F%3D&disposition=inline&content_id=%3C93d4bcde-040f-0c68-c5ce-55edf0411991%40yahoo.com%3E&folder=INBOX&attsize=45792

 

http://bmail.uol.com.br/attachment?msg_id=NDQ0ODc&ctype=%3D%3FUTF-8%3Fb%3FR3LDoWZpY28gNC5qcGc%3D%3F%3D&disposition=inline&content_id=%3Ce467554a-20a2-6913-6124-b260fff94410%40yahoo.com%3E&folder=INBOX&attsize=49140

 

Trabalho desenvolvido na disciplina de Seminário Integrado

Turma 235 – Ensino Médio – Noturno

Larissa Rodrigues

Tainara Canali

VOLTAR PARA NOTÍCIAS